Geografia

Fórum destinado às ciências naturais e da terra: Geografia, Geologia, Astronomia, Oceanografia, Biologia, etc.
Avatar do Utilizador
Carlos Dias
Cumulonimbus incus
Mensagens: 26634
Registado: sexta mar 13, 2009 2:39 pm
Localização: Toronto - Canadá
Contacto:

Geografia

Mensagempor Carlos Dias » domingo set 01, 2013 12:39 am

Tópico geral para discussão da Geografia no Brasil e no Mundo

Avatar do Utilizador
Renatoo
Altocumulus castellanus
Mensagens: 548
Registado: sexta abr 23, 2010 2:35 am
Localização: Apiaí - Sp

Re: Geografia

Mensagempor Renatoo » domingo set 01, 2013 8:23 pm

quria que o Brasil tivesse mais ilhas.
Apiaí -Vale do Ribeira-Sp
885m (marco zero) 911m (Estação Ciiagro) 940m (residência) 1.107m (Torre de Tv)
Extremos 2013
Menor Min -2,2ºC (Ciiagro) e -3ºC (extra oficial)
Menor Max 4,7ºC (Ciiagro) e 3,6ºC (extra oficial)
Maior Min 18,1ºC (Ciiagro)
Maior Max 32,8ºC (Ciiagro)
Precipitação com menor temperatura. 0,3mm e 2,6ºC (24/7/2013)
Estaçao Ciiagro (Pref. Mun. Apiaí)

A fé sem amor nos deixa fanáticos.

Avatar do Utilizador
Mafili
Cumulonimbus incus
Mensagens: 8652
Registado: segunda mar 30, 2009 12:34 pm
Localização: Ibiúna SP

Re: Geografia

Mensagempor Mafili » sexta set 06, 2013 5:10 pm

O maior vulcão do Sistema Solar já registrado pelos cientistas foi encontrado no oceano Pacífico, perto do Japão. Com 650 quilômetros de largura, o Tamu Massif (concepção artística) rivaliza com o Olympus Mons, megavulcão de Marte de 625 quilômetros de diâmetro. A montanha submersa está inativa há 140 milhões de anos, segundo equipe da Universidade de Houston, nos Estados Unidos William Sager/University os Houston
Geólogos e geofísicos da Universidade de Houston, no Texas (EUA), revelaram que um vulcão do tamanho do Reino Unido ficou escondido, por milhões de anos, nas águas ao noroeste do oceano Pacífico. Mas o grupo disse ter ficado surpreso quando constatou que a descoberta rivaliza de perto com os vulcões de Marte.

Os 650 quilômetros de largura do nosso megavulcão batem os 625 quilômetros de diâmetro do gigante marciano Olympus Mons. O estudo publicado na revista Nature sugere, portanto, que Tamu Massif, como foi batizada a descoberta, leva o título de maior vulcão em extensão do Sistema Solar.

LEIA MAIS

J. Bamber/University of Bristol
Com 750 km, vale do tamanho do Grand Canyon é descoberto debaixo do gelo
"Dizem que aqui na Terra nós temos vulcões análogos aos gigantes encontrados em Marte. Mas tenho certeza que ninguém imaginou isso", diz William Sager, geólogo marinho da Universidade que coordenou a pesquisa.

O Tamu Massif foi formado perto de um cruzamento de três placas da crosta terrestre, 1.500 quilômetros ao leste do Japão, a partir de vários vulcões em erupção: toda a lava arremessada foi fundida em uma enorme pilha. As ilhas do Havaí e da Islândia também surgiram dessa forma, lembra o estudo.

A montanha que se eleva a quatro quilômetros do fundo do mar está inativa há 140 milhões de anos, sem oferecer risco ao planeta, de acordo os pesquisadores. No entanto, o maior vulcão ativo do planeta é o Mauna Loa, no Havaí. Ele tem apenas 15% do diâmetro do Tamu, mas ainda figura como o mais alto, medindo 9 quilômetros do fundo do mar ao cume.

Ampliar
Conheça o maior vulcão de Marte5 fotos 1 / 5
Imagem do vulcão do Monte Olimpo em Marte mostra por onde a lava escorreu até a planície, formando sulcos e desviando de obstáculos naturais. Blocos pontudos e achatado se projetam pelo vulcão. A ocorrência de apenas algumas pequenas crateras de impacto neste cenário mostra que ele é relativamente jovem em comparação com as regiões mais cheias de crateras em outros lugares em Marte. O vulcão deve ter estado ativo até dezenas de milhões de anos atrás, relativamente recente na escala de tempo geológica do planeta, que se estende por 4,6 bilhões anos ESA/DLR/FU Berlin (G. Neukum)
Prediction is very difficult, especially if it’s about the future...Niels Bohr
“There’s nothing so absurd that if you repeat it often enough, people will believe it.” – William James

Avatar do Utilizador
Mafili
Cumulonimbus incus
Mensagens: 8652
Registado: segunda mar 30, 2009 12:34 pm
Localização: Ibiúna SP

Re: Geografia

Mensagempor Mafili » sexta set 06, 2013 5:13 pm

Imagem
Prediction is very difficult, especially if it’s about the future...Niels Bohr
“There’s nothing so absurd that if you repeat it often enough, people will believe it.” – William James

Avatar do Utilizador
Mafili
Cumulonimbus incus
Mensagens: 8652
Registado: segunda mar 30, 2009 12:34 pm
Localização: Ibiúna SP

Re: Geografia

Mensagempor Mafili » sexta set 06, 2013 5:28 pm

Sometimes it can be difficult to separate the publicity-driven hooks for a new study in science from that actual findings of the study itself. A research paper itself is the distillation of years of works and reams upon reams of data and interpretation. Depending on the journal in which the study is published, that could mean trying to present the findings in as little as a few pages with a smattering of figures (the bigger the journal’s reputation, the shorter the paper it seems to be these days). Then, that paper is taken by the press officers at an institution and distilled even more into a press release that might be a page where maybe a single figure and finding are touted with some quotes from the author that emphases BIG FINDING #1, with possibly a few brief quotes from other scientists who have had a day or two to look at some (possibly not all) of the paper. Once that press release is freed to the wild, then many in the media (I emphasize, not all in the media) descends, latches onto that BIG FINDING, makes it seem like that single paper unequivocally proves BIG FINDING and then takes chunks of the press release and maybe a secondary quote and we’re left with a tiny vestige of what the original study had set out to do. This is what people hear about scientific research: “Dr. Someone makes BIG FINDING that is the biggest/fastest/deadliest/noisiest/hotter/furthest (circle one) discovery ever!”

Now, I bring this up not to say that coverage of science in the media is a bad thing — in fact, we likely need more of it. However, the way it is tackled, as trying to get across so much information in so little space, leaves us without the information needed to make any educated assessment of the study. The assumption that people can’t understand complicated science (or don’t want to understand) leaves us taking the “science” out of science and leaves us with an overdistilled undrinkable product.

With that in mind, many of you have noticed a bevy of new articles proclaiming that the “largest single volcano on Earth” had been discovered. You look at the headlines and wow, it seems impressive:

Scientists Confirm Existence of Largest Single Volcano On Earth
Largest volcano on Earth found under Pacific Ocean
Scientists just discovered Earth’s largest volcano
Ocean volcano may be largest on Earth, biggest in solar system

With those sorts of claims, we need some great supporting evidence to back up the idea that this volcano is not only potentially the largest on Earth but also possibly the biggest is the solar system. What we need to do is go back to the source of these claims and try to make sense out of the idea that somehow, we’re been missing a volcano larger than Olympus Mons (currently the biggest in the solar system) here on Earth.


The study by William Sager and others (appearing in Nature Geosciences) looks at an area of the Pacific Basin called the Shatsky Rise. The rise itself is a large plateau about the size of California that continues 2,500,000 cubic kilometers of most basalt and gabbro (the stuff of oceanic crust). Sager and others (2013) looked at one part of the Shatsky Rise, now called the Tamu Massif (named after Texas A&M University) on the southern end of the Shatsky Rise. The Shatsky Rise is thought to be an oceanic plateau formed by voluminous basalt eruptions — like a flood basalt, but under the ocean. Flood basalt on land are constructed from a multitude of lava flows that issue from fissures over the course of hundreds of thousands to millions of years, so their submarine cousins are thought to form the same way. Where Sager and others (2013) diverge from this idea is they propose that Tamu Massif is, in fact, a singular volcano where almost all the lava flows came from the summit vent area. So, instead of a series of fissures across thousands of square kilometers each erupting lava flows that coalesce into a large plateau of basalt, they say that all this basalt was formed from thick flows of basalt all coming from the same place.

Now, that is quite a statement. No other single volcano on Earth covers the same area as the Tamu Massif, so if it is one volcano, then it not only sets the bar, it takes the bar and bends it into a pretzel. As I said, any statement like this needs to be backed with strong evidence, so what evidence does Sager and others (2013) present? Well, much of their argument is balanced on seismic profiles of the oceanic crust around Tamu Massif. Research vessels mapped the ocean floor and ran seismic profiles by shooting an airgun in the ocean to profile artificial seismic waves that would reflect off materials within the crust — something that oil companies do all the time to find new prospects. The above map shows the locations that these profiles we made — as as you can see, they only sample a very small portion of the area in question. Now, the seismic profiles that are constructed are tricky because the data you get is relatively low resolution and doesn’t usually present an unique solution (see below). They need to be interpreted and by no means is that a straightfoward job. One thing that helps is to have some drill core of the crust in the area to compare to determine what materials might be reflecting your seismic waves. Once you decide what is reflecting (and what isn’t), you start drawing lines on the profile to define the layers, in this case lava flows.


One of the seismic profiles of Tamu Massif in Sager and others (2013). Look how they interpret the seismic profile from the top to the bottom images — these are based on their model for what the lithology of the rocks might be (lava flows in this case) and a single drill core along their transects (see map above). Image: Figure 4 from Sager and others (2013).
Sager and others (2013) set about defining all their reflectors (see above) as lava flows and what they concluded is that (a) all the reflectors, if lava flows, come from the summit vent area and (b) the reflectors can be traced for hundreds of kilometers, meaning their lava flows are very, very long. Some of the lava flows are upwards of 23 meters thick on their own, putting them in the same league as the lava flows of the Columbia River flood basalts. After looking at their profiles, they interpreted them a stack of lava flows all from a single vent. However, they do allow for some volcanism after the main building of the shield volcano, including some impressive parasitic cones and other “eruptive centers” that are not at the summit of Tamu Massif.

Now, this is really the crux of their argument: seismic profiles can be interpreted as large lava flows all coming from the same vent. Interesting idea, but in my mind, a bit of a stretch with the data on hand. Sager and others (2013) go on to argue that this whole feature (which they never offer a total volume of erupted material) needed to form geologically quickly because the Pacific plate is moving, so if it spans a long period, you get a chain of islands like Hawaii rather than a single giant volcano. Right there is the Achilles’ Heel of the study — time. They provide a single age for the Tamu Massif taken from a single drill core on the volcano, putting the volcano being active at ~144 Ma. I like to remind my students that in order to understand a single, normal sized arc volcano like Lassen Peak in California, you need to disassemble the volcano and date as many of the volcanic materials as you can to understand how it evolved over time. With a massive volcanic package like Tamu Massif, a single age is not nearly enough to conclusively say that Tamu Massif is a singular volcano that formed very rapidly, no matter what the seismic profiles tell you. You need to date flows all over the volcano to see if they match in age if you are saying that the flows are single, long lava flows. Sager and others (2013) admit that the lack of samples from such a difficult to access location (the bottom of the Pacific) hinders the interpretation of the original of Tamu Massif, but in my mind, calling it a single volcano isn’t valid until we know more about the age of those lava flows across the area. UPDATE: A reader pointed out that they also have magnetic lineation data (see red lines on the top map) for the region that help constrain some of the timescales. However, that data paints with a very broad brush — in the millions of years. We need more precise ages of material erupted from the Tamu Massif to truly construct its history.

Sager and others (2013) get into some more arm-waving material when it comes to figuring out how this “single volcano” might have formed. Previous work on lavas sampled from Tamu Massif suggest that the basalt was forming at ~6 km depth, or the boundary between the oceanic crust and mantle beneath. However, no mechanism currently exists to explain how you could store such massive amounts of eruptible material at those depths — so if Tamu Massif is a single volcano that formed rapidly, we need to come up with a way to produce all the basalt to the right place at the right time. We know that terrestrial flood basalt can be incredibly productive for brief bursts, but those are flowing from fissures — so why can’t Tamu Massif just be a large fissure in a fissure field that the evidence of those fissures is obscured in the seismic data? Fissures lack a lot of topographic relief, so picking them out in such profiles could be difficult. Priming that much basalt to all erupt from a single location in a very brief (geologically) period — which they don’t ever suggest how long that might be — would be a remarkable geologic event.

Now, this is not to say that Sager and others (2013) haven’t found something interesting. These large lava flows seem to be a hallmark of Tamu Massif and have been observed at other oceanic plateaus as well. How do such large lava flows get emplaced on the ocean floor? I find it hard to envision these thick lava flows traveling that far at the bottom of the oceanic without cooling rapidly, so the rates of eruption would need to be very high to keep things hot. Maybe these are really long and wide lava tube systems instead, to keep that lava hot. What about the ocean itself — we know basaltic eruptions release lots of carbon dioxide and sulfur dioxide, so how would that effect the chemistry of the deep ocean if 1000s of cubic kilometers of basalt are erupted, potentially over a short period of time. Oceanic plateaus are not uncommon, so they might play a very interesting role in ocean chemistry.

So, Sager and others (2013) present some interesting evidence that Tamu Massif is big. Going as far as to say, on this evidence along, that it is a single volcano might be stretching this data to its absolute limits. Without thorough dating of the lava flows, we can’t be sure how long it took to form and if it was over the course of millions of years, how is that a single volcano (much like a flood basalt being miscategorized as a “single event”). It is easy to jump onto that startling and sexy BIG FINDING, especially something like “largest volcano on Earth” but as with almost all BIG FINDINGS in science, more work needs to be done before we can hand the medal over to Tamu Massif
Prediction is very difficult, especially if it’s about the future...Niels Bohr
“There’s nothing so absurd that if you repeat it often enough, people will believe it.” – William James

Avatar do Utilizador
Mafili
Cumulonimbus incus
Mensagens: 8652
Registado: segunda mar 30, 2009 12:34 pm
Localização: Ibiúna SP

Re: Geografia

Mensagempor Mafili » sexta set 06, 2013 5:30 pm

Prediction is very difficult, especially if it’s about the future...Niels Bohr
“There’s nothing so absurd that if you repeat it often enough, people will believe it.” – William James

Avatar do Utilizador
Carlos Dias
Cumulonimbus incus
Mensagens: 26634
Registado: sexta mar 13, 2009 2:39 pm
Localização: Toronto - Canadá
Contacto:

Re: Geografia

Mensagempor Carlos Dias » terça out 08, 2013 3:33 pm

Fico pensando até qdo as ilhas Faroe e a Groelandia vão ser dependentes da Dinamarca....Já está mais do que na hora destas ilhas serem independentes...assim como a Islandia...

Avatar do Utilizador
Aldo Santos
Cumulonimbus mammatus
Mensagens: 5650
Registado: sábado nov 10, 2012 1:05 pm
Localização: São Paulo-SP

Re: Geografia

Mensagempor Aldo Santos » terça out 08, 2013 6:28 pm

As Ilhas Faroe têm cerca de 47.000 habitantes.
A Groenlãndia: 56.000

Será que teriam condições de serem independentes economicamente?

Vejam bem: é uma dúvida real que tenho...
Alguém responde?

A Islândia tem uma população bem maior que as duas: cerca de 300.000 habitantes.

Evandro
Cumulus congestus
Mensagens: 1895
Registado: sábado mar 14, 2009 7:06 pm
Localização: Itapevi e Mogi das Cruzes - SP

Re: Geografia

Mensagempor Evandro » sábado out 12, 2013 12:14 pm

Aldo Santos Escreveu:As Ilhas Faroe têm cerca de 47.000 habitantes.
A Groenlãndia: 56.000

Será que teriam condições de serem independentes economicamente?

Vejam bem: é uma dúvida real que tenho...
Alguém responde?

A Islândia tem uma população bem maior que as duas: cerca de 300.000 habitantes.


Isso não chega a ser problema dentro da Europa... bons exemplos são Mônaco, San Marino e Liechtenstein:

http://super.abril.com.br/galerias-foto ... 18.shtml#6
"Socialism is a philosophy of failure, the creed of ignorance, and the gospel of envy, its inherent virtue is the equal sharing of misery." - Winston Churchill

Marcos
Cumulonimbus incus
Mensagens: 11095
Registado: sexta mar 13, 2009 2:42 pm
Localização: Porto Alegre, RS
Contacto:

Re: Geografia

Mensagempor Marcos » sábado out 12, 2013 12:28 pm

Independentes economicamente estás dizendo autossuficiente? Aí não. Fosse um economia rural, tradicional por assim dizer, talvez sim, mas com tecnologia, indústria, etc, aí não, porque o sistema se torna muito mais complexo. Eles têm que buscar recursos fora. Já imaginou, por exemplo, a quantidade de gente especializada e de recursos necessário para fazer uma refinaria de petróleo e ter combustível?

A Groenlândia tem o agravante de ser enorme. Administrar tudo aquilo com pouco mais de 50 mil pessoas é bem difícil.
Estação Chácara das Pedras, Porto Alegre: http://www.wunderground.com/weatherstat ... =IRSPORTO3

Avatar do Utilizador
Carlos Dias
Cumulonimbus incus
Mensagens: 26634
Registado: sexta mar 13, 2009 2:39 pm
Localização: Toronto - Canadá
Contacto:

Re: Geografia

Mensagempor Carlos Dias » quarta out 23, 2013 3:09 pm

Nome Alaska - Area

Estava dando uma olhada como é formado o estado do Alaska e ele é constituído por conselhos. Vi especialmente o de Nome que possue varias vilas, são 19 no total com total de 9.745 habitantes. Nome é a + populosa delas com 3.757 habitantes em seguida vem Unalakleet - 752 habitantes, onde gostaria muito de conhecer. Já vi voos de Anchorage pra lá , custa por volta de 400 dolares a passagem pela Era Airlines, vejam:


Brevig Mission - 406 pop

Imagem

Council - 50 pop

Imagem

Diomede - 120 pop

Imagem

Elim - 345 pop

Imagem

Gambell - 681 pop

Imagem

Golovin - 163 pop

Imagem

koyuk - 347 pop

Imagem

Nome - 3.757 pop

Imagem
Imagem

Port Clarence - 21 pop

Imagem

St. Michael - 401 pop

Imagem

Savoonga - 671 pop

Imagem

Shaktoolik - 262 pop

Imagem
Imagem

Shishmaref - 588 pop

Imagem

Solomon - 10 pop

Imagem

Stebbins - 581 pop

Imagem

Teller - 239 pop

Imagem

Unalakleet - 752 pop

Imagem

Imagem
Imagem
Imagem

Wales - 152 pop

Imagem

White Mountain - 199 pop

Imagem

Avatar do Utilizador
Mafili
Cumulonimbus incus
Mensagens: 8652
Registado: segunda mar 30, 2009 12:34 pm
Localização: Ibiúna SP

Re: Geografia

Mensagempor Mafili » quarta out 23, 2013 8:07 pm

Carlos, como não vi nenhum baile funk....parece um bom lugar.
Claro, que nada comparado a Ribeirão Preto.
Prediction is very difficult, especially if it’s about the future...Niels Bohr
“There’s nothing so absurd that if you repeat it often enough, people will believe it.” – William James

Avatar do Utilizador
Troyano
Cumulonimbus mammatus
Mensagens: 6081
Registado: sexta mar 13, 2009 2:18 pm
Localização: Praia Grande / Baln. Flórida
Contacto:

Re: Geografia

Mensagempor Troyano » quarta out 23, 2013 9:30 pm

Vontade de pegar uns caranguejos no mar de Bering.

Alaska : em russo Аляска ( interessante )
Imagem

2015 . 3436,9mm
2016 . 2.731,mm
2017 até 18/4 : 848,8mm

Avatar do Utilizador
Nazar
Altocumulus undulatus
Mensagens: 1125
Registado: segunda abr 28, 2014 3:53 pm
Localização: Curitiba - Pr
Contacto:

Re: Geografia

Mensagempor Nazar » quinta jul 03, 2014 8:59 am

Interessante nunca tinha percebido isso.....
Diferenças sobre projeções cartográficas de Mercator com a de Peters


Imagem

http://portugalmundial.com/2013/12/o-ma ... abituamos/
http://pensandocaos.blogspot.com.br/201 ... o-das.html

Agora depois de ler vejo que a de Peters faz uma melhor representação.... sempre achei a Groenlândia muito grande.....
Frio!!!! é só colocar gelo no calção, eu quero é NEVE.
Minha escala de qualidade de Inverno:
Fraco = Neve em Acima 1600m; Moderado = Neve em Urubici ; Forte = Neve em Mafra ; Desejado = Neve em Curitiba
http://www.astronomoamador.com.br

Avatar do Utilizador
Jonathan Voges
Altocumulus castellanus
Mensagens: 567
Registado: quinta mar 25, 2010 11:21 pm
Localização: Santa Cruz do Sul

Re: Geografia

Mensagempor Jonathan Voges » sábado ago 09, 2014 12:07 pm

Sou acadêmico de licenciatura em Geografia, quem quiser alguma ajuda prende o grito.

Avatar do Utilizador
Tavares
Altocumulus lenticularis
Mensagens: 918
Registado: domingo nov 10, 2013 10:40 am
Localização: Sandrecity - SP

Re: Geografia

Mensagempor Tavares » segunda ago 31, 2015 10:19 am

Olha que legal!

O presidente dos EUA deve tipo sancionar uma lei que renomeia a montanha mais alta dos EUA com o nome o qual esta era conhecida pelos povos autóctones antes dos invasores russos e europeus reclamarem para si o que hoje é o território do Alasca.

Portanto aquilo que aprendemos nas aulas de geografia morreu. O Monte McKinley se chama agora:

Monte Denali
Imagem

A Nova Zelândia também quer dar maior participação dos povos nativos nos símbolos do país, estudando a mudança da bandeira, em projeto mais avançado e do nome.

=)
Há três métodos para ganhar sabedoria: primeiro, por reflexão, que é o mais nobre; segundo, por imitação, que é o mais fácil; e terceiro, por experiência, que é o mais amargo.
Kung Fu Tzu - Pensador Chinês


Existem várias maneiras de um país alcançar o desenvolvimento, e nevar não é uma d'elas

Avatar: Lourdes Guerrero

Avatar do Utilizador
Melo
Cumulonimbus calvus
Mensagens: 4250
Registado: quarta fev 01, 2012 7:04 am
Localização: Jundiaí - SP

Re: Geografia

Mensagempor Melo » segunda ago 31, 2015 2:55 pm

Tavares Escreveu:Olha que legal!

O presidente dos EUA deve tipo sancionar uma lei que renomeia a montanha mais alta dos EUA com o nome o qual esta era conhecida pelos povos autóctones antes dos invasores russos e europeus reclamarem para si o que hoje é o território do Alasca.

Portanto aquilo que aprendemos nas aulas de geografia morreu. O Monte McKinley se chama agora:

Monte Denali
Imagem

A Nova Zelândia também quer dar maior participação dos povos nativos nos símbolos do país, estudando a mudança da bandeira, em projeto mais avançado e do nome.

=)


Belas dicas.

No que vão fazer com o nome da Nova Zelândia? É isso mesmo? Vão mudar a bandeira e também o nome do país?
“A causa fundamental dos problemas no mundo de hoje é que os estúpidos são convictos enquanto os inteligentes são cheios de dúvidas.”

Bertrand Russell

Avatar do Utilizador
Tavares
Altocumulus lenticularis
Mensagens: 918
Registado: domingo nov 10, 2013 10:40 am
Localização: Sandrecity - SP

Re: Geografia

Mensagempor Tavares » quarta set 02, 2015 10:55 am

Melo Escreveu:Belas dicas.

No que vão fazer com o nome da Nova Zelândia? É isso mesmo? Vão mudar a bandeira e também o nome do país?

É um debate que nem se aprofundou muito, mas há quem ache que deveria ser oficializado o nome pelo qual a Nova Zelândia é conhecida entre os íntimos (Aotearoa).
Quanto à bandeira, o primeiro ministro da NZL propôs um novo desenho sem a Union Jack (bandeira do Reino Unido), símbolo que inúmeros países da Commonweath retiraram de suas bandeiras durante o século XX, e para que a bandeira neozelandesa se diferencie da bandeira australiana. Recentemente houve uma gafe diplomática, quando um chefe de estado recebeu o primeiro ministro neozelandês com uma bandeira d'Áustrália. O debate ganhou mais enfoque durante a campanha de independência da Escócia, quando os britânicos eram favoráveis à mudança da Union Jack, caso fosse referendado a independência escocesa.
Depois d'uma triagem, ficou para análise popular os quatro desenhos:
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Samambaias, planta nacional da NZL e espirais, um signo maori que também remete à samambaia. Eu particularmente gostei do desenho do espiral preto e branco.

Alguns australianos também defendem a retirada da bandeira britânica do símbolo do país, há inclusive alguns desenhos interessantes e que já são utilizados em eventos esportivos por exemplo, mas diferente dos neozelandeses e a exemplo dos brasileiros, os australianos não têm, em geral, grande respeito pelas comunidades, pela cultura e pelos símbolos indígenas, inclusive com atos de violência como queimar aborígenes (coisas que também vemos por aqui[eu precisava escrever isso kkk]).
Há três métodos para ganhar sabedoria: primeiro, por reflexão, que é o mais nobre; segundo, por imitação, que é o mais fácil; e terceiro, por experiência, que é o mais amargo.
Kung Fu Tzu - Pensador Chinês


Existem várias maneiras de um país alcançar o desenvolvimento, e nevar não é uma d'elas

Avatar: Lourdes Guerrero

Avatar do Utilizador
Melo
Cumulonimbus calvus
Mensagens: 4250
Registado: quarta fev 01, 2012 7:04 am
Localização: Jundiaí - SP

Re: Geografia

Mensagempor Melo » quarta set 02, 2015 6:11 pm

Muito interessante essa possibilidade de mudança na Nova Zelândia. Pode significar uma nova orientação a respeito da identidade e da autonomia do Estado e da Nação.

Sobre as bandeiras, eu achei a primeira mais interessante, bem bolada mesmo.

Agora é ver se eles vão realmente se decidir pela mudança ou não.

Confesso que fiquei decepcionado com o resultado do plebiscito da autonomia da Escócia. Esperava mais deles e ver os britânicos de ''saiote curto'' com a necessidade de alterar a ''Union Jack''. :mosking:
“A causa fundamental dos problemas no mundo de hoje é que os estúpidos são convictos enquanto os inteligentes são cheios de dúvidas.”

Bertrand Russell

Avatar do Utilizador
rosamelo
Altocumulus undulatus
Mensagens: 1093
Registado: domingo ago 02, 2015 7:13 pm
Localização: Adamantina, SP

Re: Geografia

Mensagempor rosamelo » sábado out 03, 2015 2:30 pm

Mapa do número de horas de frio - Estado de Minas Gerais.

Recomendado para fruticultura de clima temperado.
Não tem Permissão para ver os ficheiros anexados nesta mensagem.
Última edição por rosamelo em sábado out 03, 2015 9:52 pm, editado 1 vez no total.

Avatar do Utilizador
William Siqueira
Moderador global
Mensagens: 11059
Registado: quinta abr 25, 2013 8:39 pm
Localização: Maria da Fé MG

Re: Geografia

Mensagempor William Siqueira » sábado out 03, 2015 3:45 pm

Show Rosamelo , aqui to fechando a conta ainda e psssando pro pessoal produtor de azeite , vai da provalvelmente umas 400-600h por aqui esse ano !
ImagemImagemImagem
ImagemImagem

Artur Chiovitti
Cumulonimbus calvus
Mensagens: 4236
Registado: terça jan 22, 2013 12:53 pm
Localização: São Bernardo do Campo - SP
Contacto:

Re: Geografia

Mensagempor Artur Chiovitti » quinta mar 23, 2017 7:41 pm

Mafili Escreveu:Imagem


Interessante que ninguem comentou suas publicações. O visível é mais interessante que o oculto.

O bicho é grande. E 140 milhões de anos adormecido não é muita coisa se comparado a idade suposta da Terra, de 5 bilhões de anos. Se acordar teremos um novo Havaí.
Estação Davis PRO Resende - RJ:
ImagemSite pessoal: http://artchoblog.blogspot.com
Twitter: https://twitter.com/hienaartur
Massena - Estação mais alta do Brasil!!!
Furnas - 2ª estação mais alta do Brasil!!!


Voltar para “Ciências Naturais”

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 4 visitantes